Header Ads

3096 Dias: Um filme agoniante





Você conhece a história de Natacha Kampush? A menina austrálica que ficou presa em um cativeiro por 8 anos? Sim, oito anos presa! 



...Apesar do caso ter sido bastante comentado em 2006, quando a jovem finalmente conseguiu fugir do cativeiro, eu confesso que só fiquei conhecendo sua história esta semana quando escolhi um filme aleatoriamente no Netflix. 

A história é agoniante! 

Baseado na autobiografia da vítima, publicado em 2010, o filme narra como foi a vida da Natascha desde de seu rapto em 1998 até sua fuga em 2006 e mostra a estranha relação que ela desenvolveu com seu sequestrador. Isto porque apesar das torturas e do abuso emocional, em alguns momentos o criminoso chegava a ser "carinhoso" com a menina em alguns momentos, dando lhe beijos de boa noite e lhe comprando alguns presentes. Para tentar sobreviver (ganhar comida e apanhar menos) Natacha ao longo dos anos foi aprendendo a ganhar a confiança do seu sequestrador e a viver com ele. 

A estória é densa, mas você fica preso a trama para saber como ela sobreviveu, conseguiu fugir e ao mesmo tempo que você tenta entender a mente do sequestrador.

Sem falar que a  interpretação de  Antonia Campbell-Hughes como Natasha é impressionante. Principalmente pelo seu estado físico, ela precisou perder muitos kilos para poder dar vida a personagem.

O filme é classificado como drama e autobiografia, é uma produção alemã e chegou aos cinemas em 2013. Ficou curioso? Dá uma olhada no trailer:


Apesar de ter ficado impressionada com a história, com a coragem da Natasha, confesso que não tive interesse nenhum pelo livro. Mas, quem quiser lê-lo, ele está disponível na Saraiva (onde é classificado, como 5 estrelas):  http://www.saraiva.com.br/3096-dias-3409486.html

Depois de ter assistido este drama, já coloquei na minha lista de filmes " O Quarto de Jack", lançado o ano passado e com um enredo de certa forma similar.

E vocês, já assistiram alguns destes filmes? O que acharam?
Hupe Hupe Blog é uma idéia original de Mariana Sobreiro. Layout desenvolvido por Alex Coimbra. Tecnologia do Blogger.